A respeito do que foi publicado no Diário do Grande ABC nesta sexta-feira, 5 de março, a Universidade Metodista de São Paulo esclarece que, de um universo de mais de 350 docentes, menos de 10 docentes da Universidade que se encontravam em paralisação optaram ontem, dia 4 de março, durante assembleia com o sindicato, pelo retorno à sala de aula.  Além disso, reitera-se que nenhum docente do Colégio Metodista em São Bernardo está ou esteve em greve recentemente.

Diante da situação, a Universidade Metodista de São Paulo, tradicional instituição confessional e filantrópica do ABC Paulista, informa está ciente das propostas do sindicato e tem buscado manter diálogo constante com seus colaboradores em geral para resolver, de maneira justa e amistosa, as questões institucionais.
Há mais de 80 anos, a Metodista tem formado profissionais éticos e capacitados para ocuparem lugares de destaque. Para isso, conta com um corpo docente excelente e atualizado, cuja atuação transcende o espaço acadêmico e o mercado de trabalho. A Universidade reconhece que a qualidade de seus cursos é resultado da dedicação do corpo docente, pois acredita que os professores são o pilar de uma educação que valoriza o ser humano e sua formação integral.
Por isso, recebemos positivamente a notícia do fim da paralisação e reafirmamos que a Metodista segue seu compromisso em manter a transparência com seus colaboradores. A Instituição apresentará, em breve, plano de desenvolvimento institucional focado nas necessidades educacionais da nossa região. Acreditamos na possibilidade de tornar a nossa identidade ainda mais forte no ABC, mesmo em um momento de pandemia.

Para que isso ocorra, a diretoria que assumiu a gestão da Metodista no final de 2020 continuará dialogando com toda a comunidade acadêmica, em busca de sugestões e compartilhando as estratégias.