A respeito do que foi publicado no Diário do Grande ABC, a Universidade Metodista de São Paulo esclarece que, até o momento, 10 docentes se posicionaram a favor da greve em um universo de mais de 350 professores.

Na busca do equilíbrio financeiro e da retomada do crescimento mesmo em um momento de pandemia, a Universidade Metodista de São Paulo informa que tem trabalhado na reestruturação Institucional, sem deixar de lado o oferecimento de sua tradicional e reconhecida qualidade de ensino.

Para efetivar essas ações com transparência, a diretoria que assumiu a gestão da Universidade no final de 2020 iniciou uma série de diálogos com toda a comunidade acadêmica para apresentar os números institucionais e planos para 2021. Com isso, a maior parte dos docentes da Universidade Metodista, em respeito aos alunos e alinhados com o compromisso com a educação, mantém as atividades acadêmicas em funcionamento. Os professores são o pilar de uma educação que valoriza o ser humano e sua formação integral.

Em relação à última assembleia, a Universidade apresentou ao Sindicato uma proposta de pagamento integral do salário, já no mês de março, para quase a totalidade de seu corpo docente. Também disponibilizou um imóvel como garantia de cumprimento do acordo da quitação das pendências. Mesmo com um número baixo de participantes e sem uma representatividade de docentes para decidir sobre o tema, a Universidade respeita a decisão da assembleia e continua dialogando com este grupo.

A Instituição continua prezando pela qualidade em sua formação. Por isso, na próxima semana, o calendário acadêmico será cumprido em sua totalidade. Para finalizar, a Universidade Metodista de São Paulo reafirma o seu compromisso com alunos, colaboradores e comunidade, buscando fortalecer sua presença e seu legado no ABC.